Promoção Grátis

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Centenas Fazem Manifestação Contra Mesquita Xaria Perto do Marco Zero

Centenas de manifestantes, cantando à melodia espiritual clássica “We Shall Not Be Moved” como tema, reuniram-se no domingo de manhã contra a construção de uma mesquita de “Sharia” perto do Marco Zero.
Organizado pelo The Coalition to Honor Ground Zero – uma rede opondo-se ao crescimento da Xaria, stealth jihad e mesquitas radicais em todo o mundo – a manifestação atraiu cerca de 700 opositores gritando, "Não à Mesquita," cantando "Deus abençõe a América" e dando fervorosos discursos sobre desafios para explorar o propósito por trás da Mesquita planejada.

O clamor público realizou-se na esquina da Park Place e West Broadway no distrito financeiro, perto do local onde serão construídos um centro de Comunidade islâmica e Mesquita. O lugar, 45-51 Park Place, está situado a poucos quarteirões de onde cerca de 3000 pessoas morreram nos ataques terroristas de 11 de Setembro.

Numerosos Cristãos estavam entre os organizadores do evento, enfatizando a importância da oposição "Xaria Mesquita" e Imam Feisal Abdul Rauf de Masjid al-Farah (uma mesquita da cidade de Nova York) que está liderando a nova mesquita.

"Eu odeio decepcionar o Imam, mas nós não somos um Estado Xaria ainda!," gritou a Coordenadora de eventos Beth Gilisky, líder da Women United (Mulheres Unidas), desde um palco de rua no centro do evento para multidões responder, "Nunca! Nunca!"
"Nós não devemos ceder [como um Estado Xaria]!" protestou ela.

A Sharia-conformidade refere-se a um problema que os países no mundo têm lidado como líderes islâmicos que propõem a introdução da Xaria (charia) nas sociedades. Sob a lei islâmica, os muçulmanos têm o direito de governar as suas famílias e pessoas de maneira que vão contra as leis padrão da sociedade em que vivem. Propostas legislativas têm sido vistas como suprimir os direitos das mulheres e outros direitos concedidos pelos governos.

"Devemos prescindir da casa dos bravos?" continuou Gilisky sem parar, passou a cantos "Não! Não! Não!"desde a multidão," para os espancamentos da Xaria, torturas, estupros de bandos, casamentos forçados de crianças, cortes de garganta, mutilação de meninas, decapitação, enforcamento, tortura de homosexuais, tortura dos dissidentes, tortura de mulheres, tortura de crianças, suspensão das apóstatas e deslocamentos, tortura e abate daqueles que se atrevem a levantar a cabeça e sussurram, 'Não'? Por isto vamos a ter que trocar mais de dois séculos de liberdade e de oportunidade e de Justiça e de caridade e um senso de justiça e graça de Deus? Não,"disse Gilisky, que é de fé judaica.

"O Imã [Rauf] disse [a Cidade] é Xaria aquiescente .. nós não devemos ceder," afirmou ela. "Nós não nos mudaremos!"
Nem todos os Muçulmanos são radicais, reconheceram os organizadores do evento. Mas eles estão preocupados com que aqueles que estão tentando construir a mesquita perto de ground zero "pregam contra princípios fundadores [do nosso país]."

Durante o evento, os organizadores puseram vários desafios, incluindo "sérios indícios" de que o edifício do financiamento é de adeptos de Xaria no Qatar e poderiam fazer parte de uma estratégia global para ganhar uma base Xaria perto do Marco Zero.

"Em Junho de 2009, uma organização fundada por Imã Rauf, ASMA (Sociedade Americana para o Avanço Muçulmano), recebeu US $ 576,312 do Qatar, de organizações compatíveis com a Xaria no Qatar," disse Tim Sumner, co-fundador da 9/11 Families for a Safe & Strong America (Famílias 11/09 para uma América Segura & Forte) ao The Christian Post.

O dinheiro veio mesmo antes de um pagamento ser feito para a nova mesquita. Outros fundos, incluindo US $ 4,85 milhões em dinheiro que chegaram um mês mais tarde para pagar a propriedade Park Place, também podem ser vinculados a organizações compatíveis com a Xaria, disse Sumner. No entanto, as fontes de financiamento são difíceis de controlar, e a falta de transparência foi um dos principais protestos dos organizadores do evento.

"Eles continuam dizendo que eles são transparentes, mas há três semanas, eles disseram que iriam estabelecer uma Fundação para proteger a identidade de seus doadores. Então, por favor, não me diga que eles estão tentando ser transparentes, "disse Sumner.

De acordo com Sumner, a Mesquita "não deveria estar lá – pelo menos até a transparência em torno do financiamento esclarecer e os Americanos soubessem ao certo que as fontes compatíveis da Xaria não estão envolvidas.

Peritos do Médio Oriente disseram que os Muçulmanos têm uma mega-estratégia e poderiam ter como objetivo construir a Mesquita estrategicamente como um símbolo de coroa de vitória sobre a América. Os protestantes adotaram este ponto de vista, carregando sinais que exibiam, "Eles constrõem mesquitas em lugar de vitória."

Os protestantes rejeitaram a alegação de que o centro comunitário de US $ 100 dólares e a Mesquita estão sendo erguidas como uma maneira de melhorar as relações Muçulmano-Oeste e promover a tolerância.

"Quando as pessoas falam sobre o Islão como uma religião de tolerância, por favor," disse um ex-escravo da lei islâmica quando ele subiu ao palco.

"Mostre-me onde está a tolerância no Alcorão, no Hadith, onde. Os nossos funcionários eleitos falam sobre a tolerância. Eu sei de fato que esses mesmos indivíduos, não seriam autorizados a pisar em Meca, porque eles são infiéis. Eles não são permitidos a pisar em Meca... onde está a tolerância? Onde está a tolerância?" disse ele, sugerindo aqueles que campanham para tolerância devem levar as suas sugestões para o solo de Meca.

Sumner observou, "Muitos no Islã têm radicalizado. E o que fazem com a demasiada frequência, como mostrou a história, é que eles vão plantar símbolos de vitória, e isso será um ponto de Rali e vai ser um perigo para o nosso país."

Os manifestantes também desafiaram os apoiantes da Mesquita para mostrar a sensibilidade para as famílias daqueles que morreram em 11/09.

"É um insulto direto para a memória dos povos que perdemos naquele dia," disse Sumner.

Gilisky adicionou, "Vai realmente ser triste se eles tiverem permissão para construir uma mesquita aqui."

Um desafio final exortou os norte-mericanos a sustentarem as raízes judaico-cristãs do país.

"Porque eu sei que estou a falar para os Americanos, eu sei que você entendeu mesmo antes de hoje, a necessidade de recuperar os valores da nossa civilização judaico-cristã," declarou Gilisky com aplausos da multidão.

Os organizadores manifestação disseram que eles não vêem o evento como uma batalha religiosa entre as maiores religiões do mundo. Enfatizaram que eles são não contra os Muçulmanos, mas apenas contra uma mesquita que irá promover a Xaria nos EUA.

"A sua perda não foi nada menor do que a de qualquer outra pessoa," disse Sumner ao The Christian Post, referindo-se às famílias muçulmanas que perderam entes queridos quando as torres gêmeas foram destruídas por terroristas. "Todos eles foram preciosos."

O protesto durou várias horas de domingo de manhã e à tarde. Numerosos policiais estavam lá controlando a cena.

A um quarteirão de distância, outro grupo se reuniu a favor da construção da Mesquita, criando o cenário para o debate que desperta fúria por todo o país, centrada em que ambas as partes concordam é "Solo Sagrado" no Marco Zero.

Grupos gritando e pequenas brigas entre os dois grupos de manifestantes estouraram por vezes e alguns tentaram rasgar as placas de manifestação dos outros.

Itala Rutter da Queens expressou apoio para a construção da Mesquita, afirmando que o grupo por detrás do projeto "tem trabalhado para a tolerância religiosa e compreensão por anos e ele seria um gesto de cura ao invés de um ataque."

Enquanto isso, a distância de um minuto a pé, uma torre do World Trade Center continua a crescer mais alta, com cerca de 25 ou mais andares de aço subindo desde o início. A construção final, chamada "Freedom Tower," terá 105 andares e se tornará o edifício mais alto dos Estados Unidos.

Durante todo o evento, a multidão gritava, aplaudia e acenava bandeiras americanas. Vários atendentes usavam fardas exibindo emblemas de bombeiro e números de máquinas. Outros usavam capacetes de proteção.

"O clamor público e alguns funcionários eleitos fazendo a coisa certa" mudarão a forma de ver dos Chefes de Governo acerca da construção de mesquitas, observou Gilisky ao The Christian Post.

Sumner também comentou, "[Americanos] necessitam de saber sobre isso e falar aos políticos, Governadores, funcionários eleitos e perguntar-lhes se estão de acordo com a construção de uma mesquita de Xaria na América."

"Nós não nos moveremos! Nós não somos Xaria compatíveis! Nós não mudaremos!"soou da voz da organizadora sobre os alto-falantes, antes que a multidão cantasse mais uma vez o velho clássico espiritual,"We Shall Not Be Moved."

Fonte: Cristian Post / http://webradiogospel.com.br
Digg Google Bookmarks reddit Mixx StumbleUpon Technorati Yahoo! Buzz DesignFloat Delicious BlinkList Furl

0 comentários: on "Centenas Fazem Manifestação Contra Mesquita Xaria Perto do Marco Zero"

Postar um comentário

Postagens populares