Promoção Grátis

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Obama apela à China para reativar o diálogo com o Dalai Lama

O presidente E.U. abordou a fase mais delicada de sua turnê asiática em Pequim, em duas reuniões com líderes do governo chinês. Barack Obama pediu a seu colega, Hu JintaoQue a China retomar o diálogo com os enviados do Dalai LamaO líder espiritual e político tibetano no exílio, para que Pequim considera como um separatista, para "resolver qualquer litígio que ambas as partes podem ter".

Os líderes também concordaram em "tratar de questões como os direitos humanos e da religião para encontrar posições comuns", como declarou no Salão do Povo em Pequim, o presidente chinês, e também apontam para que este trabalho será realizado em um reunião bilateral que terão efeito em 2010.

Em Pequim, Obama se reuniu com difícil de implantar o estilo mais próximo com as pessoas que querem selo de sua diplomacia, como demonstrado na segunda-feira em Xangai. Nesta metrópole, na segunda-feira reuniu-se com 300 jovens estudantes e disse que a liberdade de imprensa e participação política são os "valores universais", como tal, também deve vir para a China.

Na terça-feira, em reunião com os jornalistas tem sido difícil, agarrando-se ao script e sem causa, Hu Jintao, e Obama têm abordado os temas da agenda bilateral, a guerra contra o terrorismo no Paquistão e no AfeganistãoE o programas nucleares de Irã e Coréia do Norte.

Ambos os países chamados sobre o regime de Pyongyang para voltar à seis palestras partido para desnuclearização. E quanto à proposta internacional apresentada a Teerão para realizar suas instalações nucleares, Obama disse: "Se você não aceitar esta oportunidade, haverá conseqüências".

Resistir ao protecionismo
O situação global do momento, após a crise Financeiro também recebeu atenção dos líderes das economias de primeiro mundo e terceiro. Hu Jintao disse aos seus convidados: "É preciso resistir e rejeitar o proteccionismo em todas as suas manifestações," um gesto claro para as disputas comerciais que se destacaram nos últimos meses.

Em setembro, a Casa Branca aprovou procedimentos anti-dumping de pneus chineses e tomaram outras medidas de salvaguarda contra aço da China.

Os E.U., entretanto, prometeu trabalhar para encontrar um modelo de crescimento nos Estados Unidos, gastar menos e poupar mais, enquanto a China encontrar maneiras de reequilibrar a economia de mais bens E.U. são consumidos. Pequim construiu a maior Reservas mundiais de divisas graças ao défice comercial com muitos países desenvolvidos e também é o maior detentor da dívida E.U..

Não houve surpresas no campo do clima. China e os Estados Unidos, os dois maiores consumidores e produtores de gases de efeito estufa, têm enterrou as esperanças de que a Cimeira de Copenhaga vai dar à luz a um acordo sobre o clima juridicamente vinculativo.

Mas Obama, que tem sido fortemente criticadoem casa, para aceitar o plano para salvar a reunião de Dezembro, que procuram um primeiro acordo mínimo sobre os objectivos gerais, deixando para depois imprimir o pequeno de quem e como reduzir as emissões.

Bush defendeu o plano proposto pelo primeiro-ministro dinamarquês e conhecido como "a proposta em duas fases" porque, segundo ele, é "um passo em frente" e não um "mero compromisso político.

Obama vai visitar a Grande Muralha perto de Pequim, e se reunirá amanhã com o primeiro-ministro Wen JiabaoAntes de embarcar para Seul, a última etapa de sua turnê pela Ásia, onde pretende enfrentar novamente os esforços da desnuclearização da península coreana.



Digg Google Bookmarks reddit Mixx StumbleUpon Technorati Yahoo! Buzz DesignFloat Delicious BlinkList Furl

0 comentários: on "Obama apela à China para reativar o diálogo com o Dalai Lama"

Postar um comentário

Postagens populares