Promoção Grátis

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Nova Dimensão anti-cristã na Índia a Violência é Temida

A preocupação sobre os hindus cresce, que os terroristas poderiam se tornar mais aptos para atingir os cristãos.
Pune, Índia, 5 de novembro (CDN) -- Após as recentes detenções de terroristas numerosos hindu para explodir bombas, as autoridades consideram cada vez mais extremistas hindus de direita como uma ameaça não só para as minorias muçulmanas e cristãs, mas também para a segurança nacional.

Historicamente, grupos hindus terroristas trocaram golpes com extremistas muçulmanos da Índia, mas por causa de uma ameaça do cristianismo - como um líder extremista hindu expresso com Bússola - muitos analistas acreditam que os terroristas hindu cada vez mais representam perigos para os cristãos também.

Polícia em estado de Goa deteve dois membros do grupo terrorista hindu Sanatan Sanstha (Eternal Organization), no sábado (31 de outubro) por seu suposto papel em uma explosão que ocorreu perto de uma igreja em Margão em 16 de outubro. Os cristãos, que compõem mais de 25 por cento dos 1,3 milhões de pessoas em Goa, não foram, aparentemente, o alvo da explosão, que ocorreu acidentalmente, quando dois membros da Sanstha Sanatan estavam tentando transporte de explosivos em um local próximo, na véspera do Diwali Hindu festival, de acordo com DNA jornal.

No entanto, o incidente serviu de alerta para os líderes cristãos e outras pessoas que temem que os terroristas hindu poderia ter como objectivo a maior comunidade cristã. John Dayal, secretário-geral do All India Christian Council (AICC), disse que, embora o terrorismo não era novo para os grupos de direita, alguns dos grupos extremistas tinham "metamorfoseou-se em esquadrões terrorismo totalmente desenvolvida em linhas clássicas - as células com líderes locais, as linhas de abastecimento fabrico de bombas, os peritos e ligações claras com os intelectuais e motivadores no RSS [extremistas hindus Rashtriya Swayamsevak Sangh] Hierarquia ".

Khairnar Suresh, um ativista de direitos civis que já realizou cerca de 100 missões de estudo sobre os incidentes comuns, disse ao Compass que os muçulmanos podem ser o principal alvo dos terroristas hindu roupas, mas "não há dúvida de que eles representam uma ameaça para os cristãos também. "Ele acrescentou que esses grupos hindus também lançar ataques de hindus ao longo do tempo - que aparece como grupos islâmicos para criar tumultos comunais, bem como para confundir as agências de investigação.

Asghar Ali Engineer, presidente do Centro de Estudos da Sociedade e do secularismo em Bombaim, concordou que os cristãos têm cada vez mais se tornar um alvo secundário para a direita atrás de terroristas muçulmanos hindus, que constituem 13,4 por cento da população.

"Os cristãos, por outro lado, são apenas 2,3 por cento", disse o engenheiro. "E por causa do seu compromisso com a educação, medicina e trabalho social, é difícil promover a sentimentos anti-cristã".

Um ex-inspetor geral da polícia de Maharashtra, SM Mushrif, também disse que, enquanto os muçulmanos são o principal alvo dos terroristas hindus, atacam os cristãos também ajuda os assaltantes hindu para retratar a si mesmos como "trabalhar por uma causa Hindu".

Membros de grupos terroristas suspeitos são conhecidos por terem atacado os cristãos. Em 27 de junho, Shailendra Chauhan, alias Uday Singh - suspeito de ser um assessor próximo de Sadhvi Pragya Singh Thakur, o principal suspeito em uma explosão ocorrida em setembro 2008 Malegaon, Rio de Janeiro - foi preso por supostamente ter matado um padre cristão em Noida, uma cidade-satélite de Deli. The 25-year-old Carvalho também foi acusado de vandalismo uma igreja em Sangam Vihar em Delhi, em Outubro de 2008, segundo o The Times of India.

O AICC Dayal acrescentou que os grupos islâmicos são o alvo imediato de grupos hindus terrorista ", mas uma vez que as gangues de terror Hindutva [Ideologia nacionalista hindu] gosto de sangue, é fácil prever que eles vão entrar em ação contra qualquer alvo inimigo percebido. "

Como alegadas visões Terroristas cristãos Grupo
O Esquadrão Anti-Terrorismo (ATS) de Bombaim está investigando potentes bombas na cidade de Malegaon, Porto, alegadamente efectuadas por membros do partido nacionalista hindu Abhinav Bharat (Orgulho da Índia), em setembro de 2008. Bússola falou com o presidente da Abhinav Bharat sobre a atitude do grupo de alegados terroristas para com os cristãos.

As explosões Malegaon perto de uma mesquita matou seis pessoas e feriu mais de 100. A ATS prendeu 11 pessoas, incluindo um oficial de serviço do exército indiano, a partir do Abhinav Bharat e outros equipamentos de direita.

O presidente da Abhinav Bharat, Himani Savarkar, disse ao Compass que os membros de sua organização tinha sido falsamente acusado, dizendo: "O governo está mentindo sobre o seu envolvimento. Há cumplicidade entre os muçulmanos eo governo ".

Questionado sobre se os muçulmanos eram apenas uma ameaça para os hindus, ela disse: "Não há perigo de ambos os muçulmanos e cristãos, por causa de conversões e terrorismo".

Conversão representa uma ameaça em que as pessoas se convertendo ao Islã mudar suas lealdades da Índia para a Meca, enquanto a lealdade dos convertidos ao cristianismo passagem da Índia para o Papa, Savarkar disse. Ela também falou sobre uma ameaça mais direta do cristianismo - "Os muçulmanos querem matar o kafirs [incrédulos], e até mesmo Jesus pede na Bíblia para matar todos aqueles que não acreditam nele "- e não se sabe quantas partes outros extremistas hindus esta falácia.

O número de hindus, ela acrescentou, "está a diminuir lentamente, e um dia seremos uma minoria na nossa própria nação. Nós não temos qualquer outra nação. "

Savarkar, sobrinha de Nathuram Godse, um nacionalista hindu que matou o líder da independência indiana Mahatma Gandhi em janeiro de 1948, disse que em sua opinião, as principais razões pelas quais as pessoas longe de converter o hinduísmo são a pobreza eo analfabetismo.

"Eles não sabem o que estão fazendo", disse ela. "Temos que despertar hindus. Hindus precisam estar cientes das ameaças. "

Desespero Violent
O uso de bombas é um sinal de frustração entre os extremistas, disse o ativista de direitos civis Khairnar, referindo-se às duas derrotas sucessivas do Bharatiya Janata Party (BJP), braço político do Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), conglomerado da Índia, o chefe nacionalista hindu. O BJP, que governou o governo federal de 1998 a 2004, perdeu ambos os 2004 e 2009, eleições gerais.

"Eles agora estão explodindo bombas, porque eles sabem que não podem suceder democraticamente", disse ele, mas ele acrescentou que a fabricação de bombas, por si só não era o desenvolvimento de um novo. "Mesmo Nathuram Godse, o assassino de Mahatma Gandhi, lançou vários ataques a bomba antes de finalmente ter êxito na assassiná-lo."

No caso das explosões Malegaon, Dayal, disse que a participação de líderes religiosos hindus e pessoal antigo exército indicou que os ataques terroristas de direita por grupos hindus foram bem planejados. Analistas de segurança alertam que os grupos extremistas devem ser impedidos de se formar grupos de maior terror.

Em 21 de outubro, o Mumbai Mirror diário citou um oficial ATS dizendo que grupos extremistas hindus "estão a colocação de um rosto suave como uma organização, enquanto seus membros estão detonando bombas. É só uma questão de tempo antes que eles começam a adquirir uma tecnologia melhor e mais bombas letais. Sua influência está crescendo, há vários políticos e até mesmo ex-policiais que devem fidelidade a eles. Eles podem ser perigosas se não for parado agora. "

OP Bali, ex-diretor geral da polícia do Rio de Janeiro, disse ao Compass que, até 2003, ano em que se aposentou, extremo grupos nacionalistas hindus como o Bajrang Dal usado principalmente armas como bastões, tridentes e facas.

"Bomb-fazer é um novo desenvolvimento, e eles ainda estão aprendendo", disse Bali. "Considerando a forma como alguns grupos islâmicos locais formaram-se fazendo e detonador de bombas pequenas para as maiores, os esforços dos grupos de direita deve ser cortado pela raiz".

Hindu / violência muçulmana tem uma longa história. Em 1947, quando a Índia tornou-se politicamente independente, British colonial Índia foi dividida em "maioria hindu" A Índia ea "maioria muçulmana" do Paquistão. A partição resultou na morte de cerca de 1 milhão de pessoas - hindus, sikhs e muçulmanos - em confrontos violentos, principalmente durante a migração em massa de cerca de 14,5 milhões de pessoas da Índia para o Paquistão e vice-versa.

Engenheiro disse que a noção comum de modernização que o aumento na Índia, seria pôr fim ao crescimento dos grupos extremistas estava enganado.

"Extremismo é uma reação à modernização e, portanto, esses grupos vai crescer ainda mais no futuro."

Dayal destacado engenheiro, dizendo que os grupos extremistas de direita estavam tentando manter o ritmo com grupos islâmicos.

"Felizmente, na maioria das áreas, a vigilância do governo, sociedade civil e as boas relações entre as comunidades têm mantido estes grupos terroristas nas margens", disse Dayal. "Mas com o crescimento dos partidos que a identidade de utilizar-se questões polêmicas, como a Maharashtra Navnirman Sena partido, com a apatia do governo em BJP-governado estados, e com o meio-classe base de apoio para eles, eu temo, como grupos terroristas Hindutva pode crescer. Essa tem sido a experiência histórica na Europa Ocidental e outros países. "

Quando os suspeitos da explosão Malegaon foram acusados formalmente em janeiro de 2009, os funcionários ATS disse ao tribunal que o objetivo da alegados terroristas "foi a formação de uma nação hindu - e que os suspeitos previstas para abordagem de inteligência de Israel para ajudar na luta contra os extremistas muçulmanos quando surgiu a necessidade , de acordo com um artigo em 21 de janeiro The Hindu.

Na sequência de várias prisões, The Times of India diariamente em 21 de outubro citou altos funcionários da polícia dizendo que Minas Gerais foi rapidamente se tornando um "centro de actividades de organizações de direita" terror ".

"Os jovens estão sendo doutrinados por organizações fundamentalistas", disse um funcionário ao jornal. "O Estado deve agir rapidamente para controlar o terrorismo de direita".

Fonte: Compassdirect / http://webradiogospel.com


New Dimension in India’s Anti-Christian Violence Feare

PUNE, India, November 5 (CDN) — After the recent arrests of numerous Hindu terrorists for exploding bombs, authorities increasingly view Hindu rightwing extremists as a threat not only to Muslim and Christian minorities but also to national security.

Historically Hindu terrorist groups have traded blows with India’s Muslim extremists, but because of a perceived threat from Christianity – as one Hindu extremist leader expressed to Compass – many analysts believe Hindu terrorists increasingly pose dangers to Christians as well.

Police in Goa state arrested two members of Hindu terrorist group Sanatan Sanstha (Eternal Organization) on Saturday (Oct. 31) for their alleged role in an explosion that took place near a church in Margao on Oct 16. Christians, which make up more than 25 percent of the 1.3 million people in Goa, were apparently not the target of the explosion, which occurred accidently when two members of the Sanatan Sanstha were trying to transport explosives to a nearby location on the eve of the Diwali Hindu festival, according to DNA newspaper.

Nevertheless, the incident served as a wake-up call to Christian leaders and others who fear Hindu terrorists could take greater aim at the Christian community. John Dayal, secretary general of the All India Christian Council (AICC), said that while terrorism was not new for rightwing groups, some of the extremist groups had “metamorphosed into fully fledged terrorism squads on classical lines – cells with local leaders, supply lines, bomb-making experts, and clear linkage with the intellectuals and motivators in the RSS [Hindu extremist Rashtriya Swayamsevak Sangh] hierarchy.”

Suresh Khairnar, a civil rights activist who has conducted nearly 100 fact-finding trips on communal incidents, told Compass that Muslims may be the main target of Hindu terrorist outfits, but “there is no doubt that they pose a threat to the Christians also.” He added that these Hindu groups also launch attacks on Hindus from time to time – masquerading as Islamist groups to create communal unrest, as well as to confuse investigating agencies.

Asghar Ali Engineer, chairman of the Centre for Study of Society and Secularism in Mumbai, concurred that Christians have increasingly become a secondary target for rightwing Hindu terrorists behind Muslims, who form 13.4 percent of the population.

“Christians, on the other hand, are only 2.3 percent,” said Engineer. “And because of their engagement with education, medicine and social work, it is difficult to promote anti-Christian sentiments.”

A former inspector general of police of Maharashtra, S.M. Mushrif, also said that while Muslims are the prime target of Hindu terrorists, attacking Christians also helps the Hindu assailants to portray themselves as “working for a Hindu cause.”

Members of suspected terror groups are known to have attacked Christians. On June 27, Shailendra Chauhan, alias Uday Singh – suspected to be a close aide of Sadhvi Pragya Singh Thakur, the prime suspect in a September 2008 blast in Malegaon, Maharashtra – was arrested for allegedly killing a Christian priest in Noida, a satellite town of Delhi. The 25-year-old Chauhan was also accused of vandalizing a church building in Sangam Vihar in Delhi in October 2008, according to The Times of India.

The AICC’s Dayal added that Islamic groups are the immediate target of Hindu terrorist groups, “but once the terror gangs of Hindutva [Hindu nationalist ideology] taste blood, it is easy to predict that they will swing into action against any perceived enemy target.”

How Alleged Terrorist Group Views Christians
The Anti-Terrorism Squad (ATS) of Mumbai is investigating powerful bomb blasts in Malegaon town, Maharashtra, allegedly carried out by members of the Hindu nationalist Abhinav Bharat (Pride of India) in September 2008. Compass spoke with the president of Abhinav Bharat about the alleged terrorist group’s attitude toward Christians.

The Malegaon blasts near a mosque killed six people and injured more than 100. The ATS arrested 11 people, including a serving officer of the Indian Army, from the Abhinav Bharat and other rightwing outfits.

The president of the Abhinav Bharat, Himani Savarkar, told Compass that members of her organization had been falsely accused, saying “The government is lying about their involvement. There is collusion between Muslims and the government.”

Asked if only Muslims were a threat to Hindus, she said, “There is danger from both Muslims and Christians, because of conversions and terrorism.”

Conversion represents a threat in that people converting to Islam change their loyalties from India to Mecca, while the loyalties of converts to Christianity shift from India to the Pope, Savarkar said. She also spoke of a more direct threat in Christianity – “Muslims want to kill the kafirs [unbelievers], and even Jesus asks in the Bible to kill all those who do not believe in Him” – and it is not known how many other Hindu extremists share this fallacy.

The number of Hindus, she added, “is slowly reducing, and one day we will become a minority in our own nation. We do not have any other nation.”

Savarkar, niece of Nathuram Godse, a Hindu nationalist who killed Indian independence leader Mahatma Gandhi in January 1948, said that in her view the main reasons people convert away from Hinduism are poverty and illiteracy.

“They do not know what they are doing,” she said. “We have to awaken Hindus. Hindus need to be made aware of the threats.”

Violent Despair
The use of bombs is a sign of frustration among extremists, said civil rights activist Khairnar, referring to the two successive defeats of the Bharatiya Janata Party (BJP), political wing of the Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), India’s chief Hindu nationalist conglomerate. The BJP, which ruled the federal government from 1998 to 2004, has lost both the 2004 and 2009 general elections.

“They are now exploding bombs because they know they cannot succeed democratically,” he said, though he added that bomb-making per se was not a new development. “Even Nathuram Godse, the killer of Mahatma Gandhi, launched several bomb attacks before finally succeeding in assassinating him.”

In the case of the Malegaon blasts, Dayal said that the involvement of Hindu religious leaders and former army personnel indicated that terror attacks by rightwing Hindu groups were well planned. Security analysts warn that the extremist groups must be prevented from graduating to bigger terror groups.

On Oct. 21, the Mumbai Mirror daily quoted an ATS officer as saying Hindu extremist groups “are putting up a mild face as an organization while their members are detonating bombs. It’s only a matter of time before they begin to acquire better technology and more lethal bombs. Their influence is growing; there are several politicians and even ex-policemen who owe allegiance to them. They can be dangerous if not stopped now.”

O.P. Bali, former director general of police of Maharashtra, told Compass that until 2003, the year he retired, extreme Hindu nationalist groups like the Bajrang Dal mainly used weapons like sticks, tridents and knives.

“Bomb-making is a newer development, and they are still learning,” Bali said. “Considering the way some local Islamist groups have graduated from making and detonating of small bombs to bigger ones, the efforts of rightwing groups must be nipped in the bud.”

Hindu/Muslim violence has a long history. In 1947, when India became politically independent, British colonial India was divided into “Hindu-majority” India and “Muslim-majority” Pakistan. The partition resulted in the killing of around 1 million people – Hindu, Sikh and Muslim – in violent clashes mainly during the mass migration of around 14.5 million people from India to Pakistan and vice versa.

Engineer said the common notion that increasing modernization in India would put a halt to the growth of extremist groups was mistaken.

“Extremism is a reaction to modernization, and therefore such groups will grow even bigger in the future.”

Dayal seconded Engineer, saying the rightwing extremist groups were trying to keep pace with Islamist groups.

“Fortunately, in most areas, government vigilance, civil society and good relations between communities have kept these terror groups at the margins,” Dayal said. “But with the growth of parties that use identity-based divisive issues such as the Maharashtra Navnirman Sena party, with the apathy of government in BJP-ruled states, and with the middle-class support base for them, I fear such Hindutva terror groups may grow. That has been the historical experience in Western Europe and elsewhere.”

When suspects in the Malegaon blast were formally charged in January 2009, ATS officials told the court that the alleged terrorists’ goal was formation of a Hindu nation – and that the suspects planned to approach Israeli intelligence for help in combating Muslim extremists if the need arose, according to a Jan. 21 article in The Hindu.

Following numerous arrests, The Times of India daily on Oct. 21 quoted senior police officials as saying that Maharashtra was fast becoming a “hub of rightwing organizations’ terror activities.”

“The youth are being indoctrinated by fundamentalist organizations,” an officer told the daily. “The state should act quickly to control rightwing terror.”

Fonte: Compassdirect / http://webradiogospel.com
Digg Google Bookmarks reddit Mixx StumbleUpon Technorati Yahoo! Buzz DesignFloat Delicious BlinkList Furl

0 comentários: on "Nova Dimensão anti-cristã na Índia a Violência é Temida"

Postar um comentário

Postagens populares